Lavanda – como entender, identificar, cuidar e seus beneficios

Tipos de Lavanda – Planta

A flor de lavanda pertence a ordem Lamiales, família Lamiaceae, gênero Lavandula e suas espécies são variadas. É uma planta altamente utilizada na indústria de cosmético, farmacêutico e de produtos de limpeza por seus atributos medicinais e também sensoriais olfativos. Seus óleos essenciais são altamente usados mundialmente e estas podem ser encontradas em shampoos, cremes, amaciantes e também produtos de limpeza.

A Planta

É uma planta nativa da região que aborda o Sul da Europa ao norte Africano, além das Ilhas Canárias e da Arábia Saudita. É uma flor que prefere temperaturas amenas e frias. Porém com o grande avanço tecnológico em genética, variação e cruzamento de espécies da alfazema ( nome popular ao qual é referida) tornou o seu cultivo viável em todas as partes do mundo. A sua adaptação em locais de clima tropical possibilitou também uma variação e criação de flores além das clássicas violetas e roxas, também brancas e azuis.

Tipos de Lavanda

Tais flores podem ser encontradas em grandes jardins, são amplamente utilizadas por profissionais de jardinagens para proporcionar vistas com espécies coloridas. São plantas muito utilizadas por serem consideradas resistentes já que sobrevive ao calor, geadas e também regiões mais secas. Além disso, por possuir um cheiro muito característico age como repelente de moscas e mosquitos em climas quentes, onde estes insetos são mais encontrados.

Tal planta possui um vasto repertório em diferenciação, possui mais de 60 espécies e agora vamos listar algumas espécies mais encontradas.

Plantação de Lavanda

Plantação de Lavanda

  • Lavandula angustifolia

Esta espécie é originária da região Européia, principalmente nos países como França e Itália. São suas características: suas folhas atingem cerca de 6 centímetros de comprimento, são verdes homogêneas com nervo central e lanceoladas, a planta pode atingir até 1,3 metros de altura. Seus ramos florais se dão em hastes longas, podendo alcançar cerca de 9 centímetros e suas inflorescências são agrupadas em ramos pedunculares.

Dentre seus benefícios medicinais podemos listar sua ação calmante no sistema nervoso central, sendo amplamente utilizada em casos de insônia, uso em feridas, queimaduras, eliminação de parasitas como o piolho, ajuda no tratamento de sinusite. Seu óleo essencial é utilizado diretamente sobre a pele, e também são realizados infusões das flores.

  • Lavandula dentata

A Lavandula dentata é endêmica do mediterrâneo Ocidental, é cultivada em solos mais seco e com maior concentração de calcário. Suas folhas são pigmentadas em tons de cinza e são lineares, quanto as suas bordas, estas são caracterizadas por serem irregulares e podem atingir até 5 centímetros de comprimento. A planta pode alcançar até 1,3 metros de altura. A inflorescência aparece em hastes de 5 centímetros. É muito utilizada na produção de perfumes, e age contra dores no estômago e também na jardinagem como planta ornamental.

  • Lavandula latifolia

Esta espécie pode ser vista principalmente na Inglaterra, na França e Espanha. Esta é diferente no que tange ao aroma, apesar de serem conhecidas por possuírem beleza visual e agradável perfume, esta espécie se diferencia, já que não possui aroma bom. Sua flores aparecem em hastes do tipo espiga, e suas folhas alcançam até 10 centímetros de comprimento.

É utilizada como antibactericida, ajuda a curar feridas e acalma picadas de insetos, é um óleo muito difundido dentre os outros óleos essenciais.

  • Lavandula stoechas

É uma planta muito vista na região do mediterrâneo e Macaronésia. Esta é marcante, já que a estrutura de suas flores são bastante diferentes das aqui apresentadas até então. Estas são congregadas e achatadas num formato quadrado e é finalizada com 3 brácteas que variam de cores de vermelho à violeta. Suas folhas são um verde que puxa para um tom de cinza, com borda bem definida. A planta pode atingir até 1 metro de altura.

É utilizada na medicina natural para combater e diminuir a febre, possui princípios que auxiliam na digestão, age contra sintomas de resfriado e gripe e também é indicado para curar feridas e machucados.

  • Lavandula multifida

É uma planta originária da África. É bem diferente, já que suas folhas são bem definidas e espaçadas. Em seu corpo é possível ver um conjunto de pelos muito pequenos e são levemente esbranquiçados. São flores que apresentam coloração de índigo blue. São adaptáveis em qualquer tipo de solo, mas são muito comuns próximos a costa marítima.

  • Lavandula lanata

Esta espécie é endêmica da Espanha, sendo muito comum encontra-las na Serrania de Ronda, e também nas Serras da Andaluzia. Podemos assim perceber que se trata de uma planta característica da região de montanhas. O curioso de seu nome, lanata advém de sua estrutura, na época de inverno ela desenvolve um mecanismo de proteção. Em seu corpo é desenvolvido uma camada espessa, parecido com lã, assim seu nome se baseia neste fato. Possui flores em tons mais claros, e estas podem vir a medir até 20 centímetros de altura.

  • Lavandula viridis

É chamada também de lavanda ver, e como a espécie Lavandula lanata é característica de região de montanhas, é originária da Espanha. São características: suas inflorescências conseguem chegar até 50 milímetros, sendo de cores mais claras em tons de beje – creme. Suas folhas são lanceoladas e bordas bem desenhadas e definidas. Possui um crescimento lento relativo, no primeiro ano consegue atingi no máximo 20 centímetros de altura, mas nos anos seguintes seu desenvolvimento é mais rápido.

É destaque não por sua beleza, aroma ou forma, mas possui um amplo repertório de princípios que são utilizados com o intuito medicinal. Combate e alivia dores de cabeça, dores advindas de tensão, é ativo contra a insônia, é antiespasmódico e também serve como estimulante.

Tipo Mais Comum no Brasil

As plantas mais comuns no Brasil é a lavanda-francesa, esta são flores cuja pigmentação é um lilas com tons de cinza, possui uma altura diminuída e muitas folhas. Florescem durante todo o verão e o solo característico é uma solo mais arenoso. Para quem mora na região sul do Brasil, a lavanda se adapta muito bem, já que originalmente é uma planta característica de ambientes deste clima, e também consegue se proteger contra geadas.

Curiosidades

  • Os romanos foram os primeiros a utilizar dos atributos desta planta, usavam a lavanda no banho, em ambientes internos para aromatizar os locais, locais específicos para expulsar traças e também usufruir de suas propriedades calmantes.
  • Age como repelente natural contra insetos voadores, como moscas e mosquitos.
  • É amplamente usada em medicina alternativa, possui princípios antidepressivos, sedativos, antibactericida, anti inflamatório.

….

Lavanda: Qual tipo de óleo essencial desta planta é ideal para você?

Lavanda: Seu Óleo Essencial é reconhecido mundialmente como o supra sumo da Aromaterapia. Contudo, você já deve ter notado que existem diferentes tipos deste óleo: Lavanda Highland, Lavandin, Lavanda Spike, Lavanda Stoechas. Qual deles escolher?  Nesse post você irá descobrir quais as principais diferenças entre os  tipos de Óleo Essencial desta planta e qual é o mais adequado para você.

A Lavanda produz um óleo essencial muito procurado. Para começar a entender seus tipos, é preciso reconhecer que as espécies desta planta pertencem a uma mesma família botânica: Lamiacea.

Apesar dessas espécies de Lavanda pertencerem à essa mesma família e de todas possuírem Lavanda em seu nome, cada uma dessas variedades são  bem diferentes . Sendo assim, a composição química de cada uma dessas espécies é única. Consequentemente, o efeito terapêutico de seu óleo essencial também. Por exemplo, se o objetivo é trazer relaxamento, a Lavanda Stoechas não seria a melhor escolha. Conhecer as diferenças entre as espécies de Lavanda não é uma curiosidade de  botânicos aficionados… Pelo contrário, é uma necessidade para todos que buscam um resultado excelente no uso de óleos essenciais: Seja em seu cuidado pessoal, seja no cuidado de seus clientes. Nesse post, trataremos de cinco espécies  de Lavanda e seus respectivos óleos essenciais:

 

lavanda 3
“Nas colinas da Alta Provença, na França, no meio do verão, os campos estão coloridos com o azul/violeta da Lavanda, como pinturas impressionistas. É uma alegria para os olhos.” – Dr. Malte Hozzel (Campos de Lavanda – Elise Palmigiane).

 

Lavanda Highland  / Lavanda Maillette (Lavandula Angustifolia)

 

  • Parte da planta:  florescência.
  • Extração : destilação a vapor. 
  • País de origem: França.
  • Aroma: doce, floral, herbáceo, com ligeiro tom amadeirado.
  • Ingredientes: linalil-acetato, linalol, Ocimeno, terpineno-4-OL, Lavandulol, 1, 8cineol, Lavandulil-acetato.

Ela também é chamada de Lavanda Verdadeira, seu nome científico tem duas variações L. Vera e L. officinalis. Essa Lavanda é a mais comum e mais tradicional. Ele é usada desde tempos imemoriais e já encontramos registros de seu uso pelos gregos e romanos, em seus banhos aromáticos. Devido à suas propriedades antissépticas e de  cura ela recebeu esse nome, que deriva do latim “lavare”,que significa lavar ou banhar.

Como o nome indica (Highland, significa Terra Alta), os habitats naturais dessa espécie de Lavanda são locais  com elevação igual ou superior a 900m. Ela é nativa da região mediterrânea e encontra-se em abundância na região de Provence, no sul da França. Sua flor é azul/roxa.

Os principais componentes químicos  do óleo essencial da Lavandula Angustifolia são os ésteres e os álcoois. Os Ésteres indicam que o óleo traz equilíbrio, regeneração celular e propriedade anti-inflamatória. Os álcoois indicam a ação anti-fúngica, anti-viral,bactericida e imunoestimulante. Por quase não conter  cânfora em sua composição, essa espécie de Lavanda se destaca das outras. Ela possui um aroma muito agradável, doce e floral.

lavanda highland

Lavandula Angustifolia é a ideal para quem procura os efeitos calmantes e relaxantes da Lavanda, bem como os efeitos de regeneração da pele. Ela combina muito bem com praticamente todos os óleos cítricos como o Laranja doce; e também óleos florais como o Gerânio e o Ylang Ylang.

  • Qual a diferença entre a Lavanda Highland e a Lavanda Maillette?

Essa é uma pergunta muito recorrente, pois esses dois óleos essenciais  possuem o mesmo nome científico. Basicamente eles possuem as mesmas propriedades, sendo intercambiáveis. Contudo, a L. Highland é  mais nobre, por crescer em condições ambientais mais propícias ao enriquecimento de sua composição. Essa diferença pode ser notada no aroma. Apesar de bem parecidos, o aroma da L. Highland é mais intenso do que o da L. Maillette.

Sugestões de uso para L. Angustifolia:

  • Há muitas razões para difundir esse óleo de lavanda: para relaxar, para elevar o humor, para remover os nós de estresse, antes de dormir para melhorar o sono, contra os mosquitos, ou apenas para desfrutar da purificação e o aroma típico da Provence.
  • Ideal para banho e massagem, , misturado com óleos carreadores. Para ser apreciado sem qualquer limite!
  • É  um dos óleos  mais seguros da aromaterapia.

 

Lavanda Spike (Lavandula latifolia)

 

  • Parte da planta:  florescência.
  • Extração: destilação a vapor.
  • País de origem: Espanha.
  • Aroma: canforado, herbáceo, refrescante, um pouco mais áspero do que a Lavanda Maillette.
  • Ingredientes: 1, 8-cineol, Borneono, linalol, borneol, pineno.

Essa espécie de Lavanda cresce em altitudes menores do que a Lavandula Angustifolia. Encontrada naturalmente na França e na Espanha.

Os principais componentes químicos são 1,8 cineol, bornéun, linalol, bornéul e Pinen. Estes componentes explicam por que a Lavandula latifolia cobre um espectro completamente diferente de efeitos, se comparada à Lavandula Angustifolia. Entre as espécies da Lavanda, ela  atua como a mais forte anti-bacteriana e anti-viral. É um  bom remédio em caso de bronquite aguda ou crônica, pneumonia e constipações em geral, sem causar danos à pele e flora intestinal. Além disso, por conter cânfora, gera efeitos de fortalecimento do coração.  Em virtude dos efeitos de aumento de circulação sanguínea e propriedades de aliviar a dor é uma boa escolha no caso de tensões musculares e queixas reumáticas. Também vale a pena mencionar que uma mistura de Lavandula Angustifolia e Lavandula Latifolia produziem efeitos muito benéficos sobre a pele.

Em contraste com a L. Angustifolia, a L. Latifolia não possui as qualidades reconfortantes, devido a cânfora contida em sua composição. Ela é capaz de melhorar a produção de Acetilcolina, poderoso  estimulante e revitalizador da atividade cerebral. A acetilcolina apoia a concentração e tem um impacto sobre a nossa capacidade de pensar logicamente.  É um neuro-transmissor capaz de equilibrar a nossa condição psíquica.

Ela combina muito bem com os óleos essenciais de : Eucalipto, Lavanda Highland/Maillette, Patchouli, Pinho, Alecrim, Pau Rosa e Sálvia.

lavanda

 

Sugestão de usos para a L. Latifolia:

  •  É mais anti-séptico do que qualquer outro óleo de Lavanda. É também um excelente repelente de insetos : pode-se usá-lo em um difusor para essa finalidade. 
  • Para ajudar a aliviar dores , como reumatismo, infecções e inflamações: Use-o topicamente , misturado a um óleo carreador.
  • Use-o em compressa fria para aliviar dores de cabeça.
  • Seu uso aromático tem efeito estimulante cerebral, pode ser usado em momentos de trabalho ou estudo em difusor de ambientes, difusor pessoal…

 

Lavandin (Lavandula x intermedia ou Lavandula Hybrida)

  • Parte da planta:  florescência.
  • Extração: destilação a vapor.
  • País de origem: França
  • Aroma: parecido com a Lavanda Highland, mas com uma pitada de cânfora.
  • Ingredientes: linalol, linalil-acetato, cânfora, 1, 8-cineol, bornéul, Landulil-acetato, lavandulol.

 

Como seu nome científico indica, essa espécie de Lavanda é uma espécie híbrida, ou seja, ela é a combinação da L. Angustifolia e da L. Latifolia. Sendo assim, é de se esperar que essa espécie de Lavanda contenha uma mistura das qualidades e do aroma daquelas duas outras. E é justamente o que acontece! Sua planta, também por ser híbrida, não possui sementes.

lavanda 1

Comparada às outras duas Lavandas, ela é a que possui a maior concentração de Álcoois. Isso faz dela a melhor opção quando o que se busca são os efeitos anti-fúngicos, anti-virais,bactericidas eimunoestimulantes da Lavanda. Além disso, por possuir uma boa quantidade de Ésteres (menos que a L. Angustifolia) ela também tem  efeitos calmantes e relaxantes.

Seu óleo essencial  possui reconhecidas propriedades antiespasmódicos. É especificamente útil como um purificador para arejar ambientes e é  um bom toner de pele. A perda de ésteres  é  compensada por um aumento na cânfora e óxidos, que o  fazem eficazes contra problemas neuro-musculares certamente interessante para os atletas com problemas no trato respiratório.
Além disso, é eficaz na regulação da circulação sanguínea , agindo como um remédio cardiotónico.
 
É muito importante saber que Lavandin você está comprando. O Lavandin costuma ser mais barato do que a Lavanda, mas os preços baixos não garantem a qualidade!
 

Sugestões de uso do L. Hybrida:

  • Para relaxar os músculos: massagem com poucas gotas diluídas em seu óleo carreadorfavorito.
  • Para criar relaxamento da mente e acalmar ansiedades : use em difusor pessoal ou de ambiente,  tanto quanto queria.
  • Para o mesmo efeito  acima: banho com gotas de óleos diretamente na água.
  • Para ajudar na cura de feridas : espalhe algumas  gotas em um tecido e aplique  com uma compressa.

 

Lavanda Stoechas (Lavandula Stoechas)

 

  • Parte da planta: flor/planta.
  • Extração: destilação a vapor
  • País de origem: Portugal.
  • Aroma: aroma floral doce e tons de ervas, canforado como Lavanda Spike, mas um pouco mais terroso.
  • Ingredientes: Alpha-Pineno, Limoneno, Campheno, Fenchon, bornéun.

 

Também chamada de Lavanda Espanhola essa espécie pode ser facilmente identificada pelo formato diferenciado de sua flor. Elas são em forma de abacaxi, com muitas flores minúsculas e um tufo de penas na parte superior espalhando algumas pétalas  azul violeta.

lavanda 2

 

 Ruth von Braunschweig menciona em seu livro “Praxis Aromatherapy” que sua característica predominante  é seu índice elevado de monoterpeno cetona (até 80%). Isto dá a esse óleo Essencial a  excelente propriedade de liquefazer o muco, mas por outro lado tem propriedades neurotóxicas e abortivas. Além disso, é altamente eficaz para a otite média (com efusão por trás da membrana timpânica), bem como bronquite e resfriados, sendo um agente antibacteriano e antiviral. Além disso, a alta concentração de cetona promove a renovação celular e promove a  cicatrização de  feridas.

No nível psíquico estimula a atividade e anima a mente. Não é indicada para quem procura o aroma peculiar da Lavanda, doce e floral. Por conter cânfora e alguns outros componentes, seu aroma difere bastante da Lavanda convencional.

Ela combina muito bem com: Benjoim, Bergamota, Cedro, Camomila, Sálvia Sclarea, Jasmim, Rosa, Palmarosa, Patchouli, Petitgrain,  Gerânio Rosa, Alecrim, Tangerina e ylang ylang.

Sugestão de usos da L. Stoechas:

  • Por sua alta concentração de cetonas, ele é muito útil para liquefazer o muco, podendo ser difundido.
  • Seu uso aromático também estimula a atividade mental, sendo um óleo indicado para o momento de estudo ou trabalho.

 

Para concluir…

A Lavanda é usada desde tempos imemoriais.  Ela  é a gloriosa rainha da aromaterapia: pacifica e consola, refrigera e relaxa. Seu óleo essencial é como uma panacéia de amplitude incrível, um curandeiro para o coração, os pulmões, o trato digestivo… A complexidade do verdadeiro óleo de Lavanda e sua beleza perfumada são dificilmente igualadas por outros óleos essenciais.” – Dr. Malte Hozzel

Alfazema e lavanda – é a mesma coisa?

ALFAZEMA E LAVANDA – É A MESMA COISA?

Você já deve ter ouvido falar em lavanda e alfazema, certo? Elas são plantas semelhantes e com usos parecidos, por isso muitas vezes são tratadas como sinônimo. Elas pertencem ao mesmo gênero de planta, mas de espécies e subespécies diferentes. Entenda a diferença entre lavanda e alfazema abaixo, e saiba mais sobre elas.

ALFAZEMA E LAVANDA – SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS

A alfazema (Lavandula latifólia) é uma das várias espécies de lavandas que existem, com um cheirinho de cânfora um pouco mais forte,  que a difere das demais lavandas.  As lavandas em geral são plantas mediterrâneas com flores espigadas nas cores azuis, roxo e violeta.

Essa planta está ligada à limpeza pois o seu nome, Lavanda, vem do latim lavandus, que significa lavar, sendo utilizada na Roma Antiga para lavar roupas, para tomar banho e perfumar ambientes.  A lavanda e alfazema também são muito utilizadas para purificar a energia de ambientes e equilibrá-las, trazendo paz e harmonia.

CULTIVO DA LAVANDA

É uma planta típica da região mediterrânea e existem largos campos de cultivo de lavanda na Europa, principalmente na França, que tem como cartão postal os campos cobertos pelo roxo da lavanda, com muita beleza e aroma.  A região da Provença, no sudeste francês, possui mais de 8.400 hectares de terras dedicado ao cultivo de 30 espécies diferentes da lavanda, incluindo a alfazema.


EFEITOS DA LAVANDA

A lavanda possui diversos efeitos terapêuticos e medicinais, sendo amplamente utilizada como um calmante natural. O seu chá é poderoso para tratar de disfunções digestivas, o óleo essencial de lavanda é utilizado para aliviar dores musculares, de cabeça e também contra ansiedade e tensão e o banho de lavanda ajuda também no relaxamento e combate a insônia


 

LAVANDA DO BRASIL

Aqui no Brasil possuímos um tipo de lavanda de nome científico Aloysia gratissima e que popularmente é chamada de: erva-cheirosa, erva-santa, erva-de-Nossa-Senhora, Erva-de-colônia ou Mimo do Brasil, sendo muito utilizada para fins medicinais. Ela é uma erva excitante e aromática, útil no tratamento de hipertensão, dores de cabeça, colesterol, males estomacais, combate gripes e resfriados e protege o fígado. Ela também é muito utilizada no sul do país misturada à erva-mate para o consumo do chimarrão.

….

Lavanda E Lavandin

 

A Provence no final de junho começa a exalar um aroma celestial que encanta a todos: LAVANDA!

Na primeira vez que estive nas terras das províncias romanas na França (Provence) eu não tinha ideia que havia tantas variedades de lavanda. Você sabia que existem duas variedades principais: a Lavanda e o Lavandin?

Vamos começar pela generalidade

A Lavanda ou Lavandula é o gênero de plantas com flores que pertencem à família de hortelã, e são apreciadas pelo cheiro (e cores) de suas flores. Existem cerca de 39 espécies de plantas com flores que pertencem ao género de alfazema.

A verdadeira lavanda (Lavandula officinalis) é o tipo que se usa para fins medicinais. Seu aroma é mais delicado e seus galhos são únicos, enquanto os outros tipos de lavanda se ramificam. Outra diferença está nos seus arbustos que são mais baixos e mais arredondados, crescendo em altitudes mais elevadas.

São muitas as variedades que surgem expontaneamente pela polinização por cruzamento de espécies pelas abelhas.

Os arbustos resultantes (lavandin) apresentam flores de coloração azul-escura, maiores que as da Lavanda e extremamente perfumadas.

O Lavandin se desenvolve bastante na França entre os campos de menor altitude. Outra característica do Lavandin é que suas flores tem uma consistência mais rígida, assim, o rendimento do óleo é maior. Em contrapartida o Lavandin tem menos poderes curativos que a verdadeira lavanda. Por tudo isso ela é largamente usada em sabonetes e perfumes.

Em geral podemos dizer que os óleos essenciais de lavanda são antidepressivo, analgésico, anti-séptico, cicatrizante e expectorante.

Lembro…

Lembro que fiquei quase doida na Provence ao ver um campo de lavandas que eu estava acompanhando dia após dia para pegar o auge da sua florada. Do dia para a noite o campo florido foi colhido, sem que suas flores estivessem totalmente abertas. Eu não sabia que lavanda destina a óleo essencial não precisa estar muito florida. As lavandas bem floridas são aquelas que se destinam a produção de mel de abelhas… Outra iguaria com perfume de lavanda!

E se você quiser trazer um pouco da Provence para sua casa, faça como eu, além de ter os óleos essenciais, plante essas flores celestiais em seu jardim! Mas tome o cuidado de planta-las num local de terra pedregosa e que receba luz solar por pelo menos 7 a 8 horas por dia. Fica a dica!

No sul da França, seu perfume é sinônimo de verão.

Foto: Luberon, França Provença

Lavandas

Fonte: http://perfumariaparalela.com.br

O verão se aproxima no hemisfério norte e com ele a possibilidade de explorar a natureza. No Sul da França, em Provence, além de percorrer os campos de lavanda, você pode visitar o museu da lavanda em Coustellet, conhecer fazendas de lavanda, destilarias e participar de festivais em Sault e Valreas, uma experiência sensorial para toda a família.

alfazemagiovannababythaty

Do Latin lavare , lavar, “to wash”

A lavanda é um importante e controverso ingrediente da perfumaria. Percebida por alguns como simples demais, para outros ela é afetiva e familiar. A verdade é que a lavanda é democrática e transita muito bem entre os produtos de limpeza, aromatizadores de ambientes e colônias.

Na França, um país que tem toda uma cultura da lavanda, ela pode ser encontrada em sabonetes, detergentes, sachês e colônias centenárias.  Já no Brasil, ela dominava o mercado de perfumaria nos anos 80, tornando-se uma referência da perfumaria brasileira, com produtos para uso diário, como as colônias e os “after-shaves”. Seiva de Alfazema – Phebo (1946) é considerada a primeira Eau de Cologne brasileira, enquanto Thaty (O Boticário) e Giovanna Baby são outros clássicos que marcaram uma geração de consumidores. Uma outra particularidade da lavanda no Brasil é que ela é principalmente utilizada na perfumaria feminina.

Três lavandas elegantes

A perfumaria de nicho reserva boas surpresas para os apreciadores da lavanda e vem contribuindo com a construção de uma impressão mais elegante e, ao mesmo tempo, leve.

Brin de Réglisse / Jean-Claude Ellena. Perfumista Hermès

Um perfume que joga com o contraste entre a Lavanda e o Reglisse (alcaçuz), entre o doce e o salgado.

brin-de-reglisse AVT_Jean-Claude-Ellena_1205

Jersey, Les Exclusifs  / Jacques Polge, Perfumista Chanel. A lavanda envolvida em uma elegante vanilla.

jersey

Eau Parfumee au The Bleu I Bvlgari   Daniela Andrier . Perfumista Givaudan

Um perfume aromático, chá, lavanda e íris.

thebleu

Nem todas as lavandas são iguais

O Óleo Essencial de lavanda tem perfume mais floral, elegante e herbal, enquanto o LAVANDIN, que é o híbrido da lavanda com a lavanda aspic, é mais aromático, canforado e quase medicinal.

lavandas

A foto principal do post é da Alessadra Tucci no Lavandário de Cunha, em São Paulo. Um projeto da empresária Fernanda Freire que se apaixonou pela Provence e resolveu trazer um pouco dela para o Brasil. À bientôt !

Campos de lavanda na Provence:

Tudo o que você precisa saber para chegar até os mais lindos

Enquanto eu dirigia com os vidros do carro abertos pela estreita estrada departamental D6, sentindo o vento e o sol do verão mediterrâneo (essa luz que encantou pintores impressionistas como Cézanne e Van Gogh), escutando as músicas da Tal Benyerzi, vendo e sentindo o suave aroma (eu achava que ia ser meio enjoativo) daqueles enormes campos de lavanda, no auge da floração, com as montanhas ao fundo, a sensação era a de que eu tinha chegado ao paraíso, a de que eu não estava mais na Terra. Em mais um dos nossos passeios pela Provence, a seguir tudo o que você precisa saber para ter a melhor experiência ao redor desta flor, cujo óleo essencial é usado há milênios na beleza e no bem-estar, e que também é usada na gastronomia (não deixe de provar o sorvete de lavanda, companheiro perfeito para enfrentar o calor provençal, o mel, ou ainda o crème brûlée à la lavande  em algum restaurante).

O AUGE DA FLORAÇÃO DOS CAMPOS DE LAVANDA SÓ ACONTECE UMA VEZ POR ANO; QUANDO VISITAR

provence-campos-de-lavanda-sault-valensole-1200-2-1As flores da lavanda (lavande fine, em francês, mais rara e selvagem, cujo óleo essencial é aproveitado na perfumaria) e do lavandim (lavandin, na foto acima, usado para produtos menos nobres como sabonetes) não florescem na primavera (de 21 de março a 21 de junho), mas sim no começo do verão europeu, mais especificamente nos últimos dias de junho até por volta de 10 de julhoComo a colheita começa por volta da metade do mês (no ano de 2016 começou no dia 15 de julho, mas a data de início depende da meteorologia, da altitude da plantação), se você chegar após essa data é capaz de encontrar os campos todos vazios, o que seria uma tristeza; e se chegar antes, as flores ainda não estarão no auge de suas cores e beleza. O ideal é chegar à Provence por volta do dia 5 de julho para aproveitar não só os campos mas também os festivais que estarão já em pleno vapor: o de teatro em Avignon, o de música lírica em Aix-en-Provence, o de fotografia em Arles, com os nomes mais relevantes destas artes, discussões extremamente interessantes e cobertas incansavelmente por todos os jornais francófonos e os maiores do mundo. Ah, outro detalhe: por mais que você esteja lá nesta época, acontece de campos diferentes estarem em épocas de floração diferentes; uns com as flores mais coloridas, outros com as flores ainda começando a floração, ou seja, menos coloridas. os campos são todos abertos; não têm cerca; você pode andar lá longe e fazer fotos incríveis. (A concierge de um hotel me disse que muitas chinesas viajam com seus vestidos de noiva para a Provence só para serem fotografadas vestidas de branco nos campos de lavanda. Por isso, não se assuste se você vir uma noiva de véu e grinalda — segurando um bouquet  e SEM marido — caminhando pela paisagem; não é uma alucinação).

A NOSSA ROTA PREFERIDA, PARA VOCÊ NÃO ERRAR

provence-campos-de-lavanda-sault-valensole-1200-3-2Você vai ler em vários lugares que Sault é a capital da lavanda  e uma das rotas mais famosas é a que a liga a Gordes ou Roussillon (os vilarejos medievais “empoleirados” que você não pode deixar de visitar; conheça-os clicando aqui). E como eu estava hospedado no Mas des Herbes Blanches, um Relais & Châteaux em Joucas (vilarejo entre Gordes e Roussillon), foi essa a primeira rota que fiz. Mas passar pertinho da imponente falésia da Madeleine me impressionou bem mais que os pouquíssimos e pequenos campos de lavanda em todo o caminho. Chegando a Sault, apesar da vista para um grande vale aos pés do Mont Ventoux (meio longe e não muito emocionante, confesso), onde você consegue ver os quadradinhos cor de lavanda de longe, a cidade não oferece muito o que fazer e logo voltei.

A questão é que os campos de lavanda de verdade, esses das fotos que a gente sonha em ver (enormes com uma árvore no meio, com as montanhas ao fundo), não estão no Maciço do Lubéron (região onde ficam Gordes e Roussillon), mas sim no Plateau de Valensole, próximos a outro vilarejo e de paisagens incríveis da Provence: o village  também perché  Moustiers Sainte-Marie (nas fotos abaixo) e o Grand Canyon do Verdon. E, sério, não dá para competir. As duas horas dirigindo — e parando muito, claro — pelas estradas departamentais D108D953D8 até Valensole, e depois a D6 e a D952 chegando a Sainte-Marie (e à Bastide de Moustiers, hotel lindo, charmoso e saborosíssimo de Alain Ducasse no vilarejo, a 10 minutos de carro do lago azul-turquesa Sainte-Croix), foram uma das experiências mais belas da minha vida. Depois desta rota, nesta época, você terá certeza de que viu os mais belos campos de lavanda da Provence. E tente ir no nascer ou no pôr do Sol, quando você pegará uma luz mais dramática. :- ) {Para ler o O guia definitivo para dirigir na França: Beber e dirigir, as estradas mais bonitas, GPS, pedágios, combustível, clique aqui}

provence-campos-de-lavanda-sault-valensole-1200-4-1provence-campos-de-lavanda-sault-valensole-1200-5provence-campos-de-lavanda-sault-valensole-1200-6

COMO PARAR O CARRO PARA AS FOTOS SEM LEVAR MULTA

Eu devo ter parado o carro ou para fotografar ou para contemplar aquelas paisagens uma centena de vezes. Mas a dinâmica é um pouco complicada: as estradas departamentais são vias de duas mãos, muito  estreitas (tem hora que você acha que o seu carro e o carro que está vindo não vão caber nas duas faixas), não tem acostamento e, muitas vezes, árvores ou valas ladeiam a pista. E, apesar de você quase não ver policiais rodoviários em quase todo o percurso, eles podem sim aparecer; e você pode levar uma desagradável multa — e uma bronca — se parar o carro no meio da pista (e eles já chegam com sirene e tudo). Por isso, por mais que você tenha de andar um pouco, pare o carro nas entradas das propriedades dos campos de lavanda (são estradinhas de terra que saem da pista) ou então nos bolsões que existem nos lugares mais visitados justamente para que os viajantes parem seus carros e apreciem a paisagem. Use o bom senso. {Para conhecer o nosso guia definitivo sobre como dirigir pelas estradas francesas — que modelo de carro alugar, se pode beber e dirigir (e o quanto), as estradas mais bonitas, GPS, pedágios, combustível —, clique aqui}

SE VOCÊ NÃO ESTIVER DE CARRO, COMO VISITAR?

provence-campos-de-lavanda-sault-valensole-1200-1A melhor maneira de aproveitar a Provence é alugando um carro e dirigir livremente, no seu tempo, de acordo com o seu roteiro. Se você não dirige, o único jeito é contratar uma excursão, que pode sair de Avignon ou de Aix-en-Provence (você pode se informar no hotel, são várias opções). Ou então, se você não quiser andar de ônibus com outros turistas, você pode contratar um motorista para fazer o trajeto com você.